quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

PELA LIBERDADE



Um punhado de homens – doze, um número imenso – morreu pelas balas do mais hediondo dos inimigos: o ódio.

Doze vidas cujas individualidades eram fundamentais no bouquet de sete mil milhões de cabeças que compõem a diversidade do universo que conhecemos.

Flores insubstituíveis e de rara beleza, como quase todas são.

Morreram de morte cruel – não há nenhuma que o não seja – pela arbitrariedade de animais sem alma, que nem sequer têm uma justificação para esse acto -impossível de ter quando se tira uma vida - movidos nas teias da loucura do vazio que os reveste.

Amanhã o mundo continuará a ser admirável mas muito perigoso. Amanhã haverá novos sorrisos, e alegrias hão de brotar do coração dos homens, mas estes doze seres humanos vão fazer muita falta.

Neste canto quase recôndito onde me pouso, saudo-vos, orgulhoso de partilhar convosco a aventura de pensar livremente.

ATÉ AMANHÃ


Sem comentários:

Enviar um comentário