quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

“A troika pecou contra a dignidade”.



São deuses, e olham para os infernos com o enfado natural dos deuses, porque não há seres superiores aos deuses que julguem as suas criações imperfeitas.

E assim se peca sem castigo, cometendo todas as obscenidades sem que os mortais reajam.

Ainda ontem  açanhavam os olhos aos seus pequeninos estendedores de tapetes - dizendo-lhes que já estavam a relaxar nas reformas.
 Estes tremelicando para conseguirem o “quadro de honra” logo foram pressurosos ao balcão mais próximo de uma qualquer Goldman Sachs, depositar por adiantado uma fatia do espúrio  para pagamento de juros ( são os juros que eles querem pagos a horas,  que a divida propriamente dita, nenhum país paga: é um conceito virtual).

 Hoje, porque lhes convêm para enviar os gregos para as trevas, ou pô-los obedientes e bem adestrados e validarem as suas teorias da ditadura do dinheiro e dos interesses próprios, voltamos a ser o exemplo.

E o ansioso que estamos por ser exemplo do retorno a níveis de pobreza, desprotecção na educação, na saúde, abandono do apoio social, diáspora forçada!

Na sua perversidade, os deuses convidaram  uma estendedora de tapetes para uma fotografia, para ilustrar que o caminho da fidelidade e da abnegação eleva os homens.

Ela sorriu e sente-se quase demiurgo. Os seus colegas estendedores de tapetes vermelhos, aplaudiram sentido-se abençoados pelos deuses. Árduo o caminho para a santidade.


Entretanto, nos fundos dos infernos, os pecadores vêem as notícias, ouvem e lêem, e continuam calados. Se calhar fingem que estão  a utilizar essas capacidades sensoriais. Se calhar, estão simplesmente embasbacados e esbugalhados de olhar no ecrã,  a abrir e fechar a boca, involuntariamente, como as carpas nos aquários. É possivel que seja isso. Os condenados não entendem, por isso não reagem.

Sem comentários:

Enviar um comentário