quinta-feira, 14 de junho de 2018

SANTINHOS





Saem os santos à rua, e os homens, menos santos. Saem juntos sem diferenças, aperaltados e dançarinos e muito animados, fazem a folia.
Cheiram os manjericos com quadras que rimam à força, lançam piropos às moças que não os repreendem por assédios, os santos não, que são santos.
Está aberta a melhor época do ano.
Uns descem a avenida, em coreografias simples que treinaram o ano todo. Levam madrinhas e padrinhos, uma excitação. É a sua noite de glória e o deleite da população expectante, a torcer pelo seu bairro. Ainda vai haver muita alegria, e muito choro.
Os senhores de preto que agora estão disfarçados de cor, sentados na bancada das pessoas importantes, fingem que riem e batem palmas, não vendo a hora de saírem. Odeiam o cheiro da sardinha, mas disfarçam pelos votos.
Uns, menos santos e mais homens, andam tresmalhados nos becos e nas vielas, onde mal conseguem andar milhares de pessoas e de gente, um mar imenso, petiscando sardinha, dando na febra, bebendo sangria barata e levando o gargalo da cerveja à boca. Ávida, seca, desejosa de hidratação com tanto bailarico e tropeção.
Cantam todos e são felizes, mesmo os turistas cantam e felizes são.
É a estação das melhores noites do ano, e os santos da festa: o António, o João e o Pedro, trazem consigo toda a família, sendo possível mas não garantido, que o próprio Deus e o seu filho baixem à terra, para foliarem entre os homens, fazendo férias de deuses e dos milagres, que já não são o que eram antes.
Daqui até ao fim do mês nem o futebol entristece. Depois, logo se verá.

Sem comentários:

Enviar um comentário