terça-feira, 9 de maio de 2017

TELEVISÃO





Neste exactíssimo momento dou por encerrado o dia. Está na casualidade o vir a acontecer um grande desprendimento de responsabilidades, por tudo o que aconteceu nas últimas vinte e quatro horas. Passado passou, não se pensa mais nisso.

Amanhã, se despertar para aí virado, e o banho que decide muito do futuro do dia correr bem, encaro a hipótese de querer dar uma volta ao mundo.

Se mais para a tarde me começar a aborrecer e chegar à conclusão de que não vale a pena o esforço, adio tudo para um dia próximo, ou longínquo, logo se verá.


Uma coisa é certa, chegada a noite só quero ver televisão e não ter nada a ver com o que se passou durante o dia, estou isento do que aconteceu, se houve asneira ou não, o problema é dos outros.

E se dormir em pesadelo, com interrupções para a insónia, amanhã então, será um dia de impropérios, asneiras, interjeições retorcidas, o que vier à boca e à mão para mandar o mundo aquela parte, a parte que me chateia do mundo




Sem comentários:

Enviar um comentário