quarta-feira, 12 de abril de 2017

O MEU MINIMEU









Feliz estou muito, mas igualmente apreensivo.

O meu filho que não posso nomear nome próprio para preservar a sua intimidade, estava ansioso para viver. Uma vez criado, que seja para viver.

Sete meses no tédio da barriga da mãe, cansadíssimo, com ruídos incomodativos a todo o instante, foi mais do que suficiente para considerar-se fisiologicamente capacitado a ter sucesso numa carreira a solo.

Não posso estar em desacordo com a decisão, uma vida é um tempo tão pouco, se estamos prontos porque não avançar?

Foi o que fez. Obrigou-se a ser parido. Esteve três dias a ponderar as condições e tomou conta do seu assunto: mandou o tubo do oxigénio dar uma volta, achou que continuar no escuro era entediante e contra conselho médico, entreabriu os olhos, que eu, pai, ainda não sei a cor, não lhos vi bem.

Os médicos nem sempre têm razão e o meu filho tem uma personalidade forte. Se quer ver que veja, se quer fazer escolhas fracturantes que faça. Sou adepto de uma educação liberal.

Só há uma coisa que o agasta, apesar de ainda não me ter dito, mas não me estranha nada que numa das minhas visitas diárias à neonatologia, ele, do nada, verbalize o tema: os gorros de berloque e as meias de amarelo profundamente confrangedoras para uma criança que tem carácter e que persistem em escolher o guarda-roupa.


Concordo e estou solidário, mas o que posso eu dizer aos familiares solidários que acham que o meu filho anda a pedir à vida para viver, e que só o vai conseguir com a cabecinha e os pezinhos quentes? Para não lhe oferecerem coisas ridículas que o deixam mal no ambiente dele?

Só espero que se contenha e não me embarace, mas aqui para nós, um rapaz que tem ambições, não se pode apresentar com meias amarelas!"

Amo o Minimeu mesmo como filho oficial e concebido pelo Joaquim do café "as três palmeiras" (um dia vou perguntar porque tem este nome), ainda bem que veio, é mais um a ajudar a levar isto para a frente, que está perro.

Este sítio estava a ficar xaroposo faltava alternância. 


Sem comentários:

Enviar um comentário