terça-feira, 18 de abril de 2017

DA MORTE






A morte é o lado negro da vida e seja como for quando for, é horrível e não a queríamos nunca se se pudesse não querer.

Mesmo construindo desculpas torneadas e rendilhadas e filosóficas, mesmo com folegos e promessas de imortalidade e paraísos esplêndidos, mesmo que se façam finas poesias com todas as métricas certas e depuradas elegias à morte, é tudo mentira, ou equívoco, ou inútil.

A banalização constante das imagens da morte enjoa, adoece, afrouxa, desliga da realidade.

Chega o momento que se passa para insensível. Ganhou-se imunidade pela repetição do feio.

Mas quando tocar ao nosso lado, a nós, nas redondezas dos que nos cercam, não vai ser insensível, vai ser atroz.

Nesse instante fere forte e fundo e feio, e mata, e acabou-se.

A morte é o acontecimento mais desinteressante e malcheiroso da vida, não há necessidade de nos entrar pelos olhos dentro para que nos lembremos dela, lembrança que dispensamos enviando cumprimentos e saudações e que se faça esquecida pelo maior número de dias que puder ser.

E não é vendo-a até a exaustão que mais sensíveis ficamos, é cuidando das vidas vivas, porque depois, depois é tudo vago e já não se dão beijos.







Sem comentários:

Enviar um comentário