segunda-feira, 4 de abril de 2016

O ABRAÇO




O universo desabou numa sala anónima de um aeroporto e eu protejo com um abraço a minha família: a minha mulher, o meu filho. Protejo-os para a vida. Não percebo o que está a acontecer, uso-me do instinto, a minha lucidez. 

Não dou ao meu filho tempo para chorar, e é disso mesmo que o protejo, para que não chore. Se o fizer, ficará para sempre impedido de ser ingénuo, perde a sua naturalidade, tão pequeno ainda, impedido de futuro numa sala anónima salpicada de corpos inertes à sua volta, a pior vilania que a vida lhe pode oferecer.

Vou trazê-lo para a rua, disfarçando como se nada fosse, de mão dada os três, e quando chegarmos a um ar que se respire, vamos comer um doce, vou dar-lhe um brinquedo que goste sem olhar a custos, beijarei a minha linda esposa, e continuaremos a viver, com novos medos, mas atentos a que ele não chore nunca.

Chorar é o que eles querem ver de nós, que sejamos tristes.

Mas com o meu filho, não. Enquanto nos beijarmos e nos abraçarmos com esta energia avassaladora, que é o amor, eles serão sempre uns pobres de uns enjeitados.
Pudéssemos, eu, a minha amantíssima esposa e o meu radioso filho, abraçá-los com este abraço que sabemos dar, eles não pintariam de escuro os dias de sol.

Sem comentários:

Enviar um comentário