sábado, 2 de abril de 2016

MIRADESES NÃO É FAMOSA










Miradeses tem um rio formoso e uma praia fluvial, e tem um dólmen com uma caixa de correio verde dentro, e tem um cristo crucificado dentro de um casinhoto branco com portas de ferro forjado igualmente verdes, e amendoeiras com as suas flores a florirem antes de tempo, e produz provavelmente um dos melhores tintos da região.
Do alto de Miradeses vê-se a serra de Santa Comba. Esta serra guarda o segredo de uma lenda, da pastorinha, e de como Deus quando está inspirado, opera grandes milagres.

Miradeses é uma aldeia resguardada na “terra quente”, em Trás-os-Montes, assim como a serra de Santa Comba, 1041 metros – que não é uma altura por-aí-além para ser notícia -, a pastora está encerrada num calhau granítico que eles chamam fraga, é agora santa, e Deus, é Deus e está em todo o lado.

Afinal Miradeses tem muita coisa, outras que não se contam agora, só indo e só vendo.

Mas miradeses não é Paris, não é Berlim, não se localiza no Paquistão, ou no Brasil, muito menos na Coreia do Norte, Macau, Barcelona ou Verona, todos locais de sonho (dúvidas sobre a Coreia!), que disputam notícias nas revistas que divulgam destinos de passeio, estimulando a curiosidade de quem ainda não os visitou (não será o caso da Coreia que parece não ser muito pretendida).
Miradeses é um local desconhecido, inexistente, ínfimo, tímido. Que apetite desperta ao aparecer o seu nome numa revista de viagens?
O que pode Miradeses oferecer a um turista contemporâneo?

Tem um Mc Donalds com um Mc Drive? Lojas de Khebab? Lojas de “recuerdos” fabricados na china? Quarteirões inteiros de hostel e apartamentos low cost? “Tuk-Tuk” a debitarem ruídos estridentes? Carteiristas competentes? Terroristas e bombas imprevisíveis?

Miradeses não tem nada disso, e por isso não aparece nas revistas de ócio e lazer, porque Miradeses é somente uma pequena e desinteressante aldeia, onde se ouve o som do silêncio, as poucas pessoas cumprimentam os transeuntes honestamente, a água é fresca, e as doidas das amendoeiras, como se disse atrás, antecipam a Primavera desatando a florir antes do tempo anunciado.

Quem está interessado num montículo que nem sequer tem altura para ser serra, com a história patética de uma pastora-santificada? Para ver os milagres de Deus vai-se a Fátima pôr uma velinha, ou a Lourdes assistir ao desfile das cadeirinhas de rodas, isso é que é imponente.

Quase tudo em Miradeses e em Santa Comba é aborrecido e enfadonho, não estimula o frenesim de um turista.

Ditas as coisas como ela são, Miradeses não pode mesmo aparecer nas revistas, mas não faz mal, quem procura ambientes naturais pouco poluídos, acabará por a encontrar.

Os outros, talvez a grande maioria, nem interessa que saibam da sua existência, vão a Bruxelas, que é uma cidade linda, e visitem o berço da Europa.


Sem comentários:

Enviar um comentário