sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

LIBERDADE, IGUALDADE, FRATERNIDADE, E UM QUEIJO!



Liberdade de expressão ou libertinagem na expressão.

A primeira é uma atitude. Pede inteligência, gosta do caleidoscópio das ideias, respira diálogo.

A segunda alimenta-se da crença desviada de que “liberdade, Igualdade, Fraternidade” são direitos adquiridos e universais, livre-trânsito para a violação do sensível. Um vale-tudo garantido, e só com uma via: a dos direitos adquiridos e sem deveres, porque um homem “livre, igual e fraterno” não se verga perante ninguém, muito menos às amarras do dever.

O libertino é um ser voraz no consumo de si próprio e do que o rodeia: é um eucalipto.

O problema está em que o homem que é um ser embrulhado por muitas camadas, apesar das invenções magníficas que consegue realizar, evoluiu pouco nos convívios sociais desde o dia em que deixou a caverna e começou a construir cidades.

É um egocêntrico com laivos de compaixão.

Poder pensar tudo não é fazer tudo. Este é o síndrome do filho único (nem todos): está tudo a meus pés e se me contrariam faço birra, que os papás logo vêm pressurosos depositar o mundo à minha frente.

Não podemos fazer tudo. Nem desculpar tudo. E podemos com a maior das certezas e convicções – mais não sejam filiais, que são universais – dar uma valente de uma murraça bem encaixada ao mentecapto que chama nomes à nossa mãe.

Não se pode tirar a vida a ninguém, em substituição dos arbítrios da natureza que tem a sua agenda própria sobre essa matéria.

Não se pode igualmente, sem escrúpulos na consciência provocar os limites dos outros, em nome desse postulado enunciado - que todos eles permitem as mais variadas das interpretações.

Andamos aqui às voltas com este tema enquanto o silêncio permanece denso e cortante sobre o massacre de Baga. Num caso como este não há postulados que valham, porque se trata da mais primitiva das barbaridades assobiada para o ar pela mais primária das hipocrisias (a nossa).


Resta-nos a Pena, um menosprezo disfarçado, um não sentimento, um incómodo pessoal passageiro, até que um dia nos bata à porta e não lhe reconheçamos o nome.

Sem comentários:

Enviar um comentário