terça-feira, 1 de abril de 2014

O festim

Horas perturbadoras,dias inquietantes,lapsos temporais,

estonteantes vazios de frustração e pena.

Terra de ninguém, travessia infértil de ideias.

Fraqueza redundante.

No esgotamento e desistência brota uma palavra do nada, 
outra que vinda se junta ao festim.

No fogacho, fogo fátuo, 
irrompe uma ideia, depois a frase que a exprime.

Apareceram quando se ansiava tanto,
bem vindas sejam!

Na abstração do pensamento gera-se um novo ser,
abrindo caminho numa folha de papel.

Orgia de arromba! 

Irrompem sem tocar a campainha,
trazem as figuras de estilo e mais amigos,
enchem de iguarias o salão

Vai ser até as tantas, grande e magnífica ressaca esta!


Das palavras que se desembrulham em papelotes coloridos.

1 comentário: